SÉRIE: CONHECENDO OS PILARES DA FÉ BÍBLICA

  Palavra introdutória:

Nesta série abordaremos assuntos pilares da fé bíblica. Nossas conclusões erradas em diversas áreas da vida, são conseqüência de um conceito confuso e equivocado do ponto de partida. Dificilmente alguém fará uma boa corrida, se não tiver uma correta largada. Por isso, a necessidade de revermos nossos conceitos. Desde já, rogamos a iluminação do Senhor no entendimento e aplicação dos assuntos estudados.

Viajando por temas conhecidos?

Sua vida já foi transformada? Dois tipos de pessoas tem dificuldades para aceitar a mensagem de transformação. Uma é a pessoa que sente que já é “suficientemente boa” e que, portanto, não precisa de mudança para ser aceita por Deus. A outra é a pessoa que acredita que é tão má que Cristo “nunca aceitará”. Existem pessoas religiosas que buscam segurança em outras coisas e não na realidade de um coração novo e transformado.

Vejamos algumas palavras que nos ajudarão a entender a Vida.

DEUS- Algumas características de Sua Pessoa

•  O Criador- Sl 104:24

•  Auto Existente- Sl 90:2; At 17:25

•  Imutável (não muda)- Por ser necessariamente perfeito, ele não pode mudar, seja para o melhor ou para o pior; e porque não está limitado ao tempo, Ele não está sujeito a mudança (2 Pe 3:8)

•  Ele está sempre ativo- Is 42:9; 2 Co 5:17

•  Ele é santo – Nm 23:19; I Sm 15:29; 2 Tm 2:13; Lv 11:44; At 5:2,4,32

•  Deus vê e conhece- Pv 15:3; Jô 24:23; Sl 33:13-15; 139:13-16; Jr 23:24; Jó 42:2

•  Onipotente- O poder de fazer todas as coisas que em sua perfeição deseja fazer.

 

HOMEM- Em Gn 1:26,27 temos a declaração de que Deus fez o homem à sua própria imagem. Isto, é com algumas características de Deus.; 5:1; 9:6; I Co 11:7; Tg 3:9. Gn 1:1-25 mostra Deus como pessoal, racional (com inteligência e vontade, capaz de formar planos e executá-los), criativo, competente para controlar o mundo que fez, e moralmente admirável, no sentido de que tudo o que Ele criou é bom. A imagem de Deus inclui todas estas qualidades. O homem é uma criatura pessoal. Autoconsciente, que pensa, articula e age. Porém, com a desobediência de Adão essa imagem no homem tornou-se deformada. De maneira que usa sua inteligência e conhecimento para o mal. Suas atitudes passaram a ser dirigidas pela sua disposição pecaminosa.

 

PECADO – Pode ser definido como a falta de conformidade à lei de Deus em ação, hábito, atitude, perspectiva, disposição, motivação e modo de viver.

Com a desobediência, todo homem se torna escravo do pecado e incapaz de usar seu poder para espelhar a santidade Deus. Paulo, na epístola aos Romanos, afirma que todo ser humano está naturalmente sob a culpa e o poder do pecado, do reino da morte, e sob a inevitável ira de Deus – Rm 3:9,19; 5:17,21; 1:18,19; At 17:26/I Co 15:22.

Esta é a autorizada interpretação apostólica da história registrada em Gn 3,onde encontramos a narrativa da queda, a desobediência do homem original a pontos principais nessa história abordados no Novo Testamento pelo apóstolo Paulo. Veja: Deus fez do primeiro homem representante de toda a posteridade, do mesmo que ia fazer de Jesus Cristo o representante de todos aqueles chamados por Deus ( Rm 5:15-19; 8:29-30; 9:22-26). Deus colocou o primeiro homem em um estado de felicidade e prometeu continuar este para ele e sua posteridade, se ele mostrasse fidelidade por meio da obediência. Adão estava em fase de teste. Para ser aprovado deveria obedecer a boa e excelente vontade do criador. Especificamente, recebera ordens para que não comesse de uma árvore descrita como a árvore do conhecimento do bem e do mal. Porém, o homem ouviu Satanás, que tomou a figura da serpente, e desprezando a Palavra de Deus, tentou agir como se não dependesse de Deus (a raiz do pecado é o orgulho e inimizade contra Deus). Conseqüência: Foi reprovado e expulso do paraíso. Aquele estado de perfeição foi perdido. A partir de então, o seu desejo seria contrário àquilo que era correto (Gn 4:7). Leia I Jo 1:8-10; I Rs 8:46 ; I Co 15:22

CRISTO – Somente é possível entender quem é Cristo e o que Ele fez se entendermos o que aconteceu em Gn 3. Por isso a nossa abordagem anterior sobre Deus, o homem e o pecado.

Vejamos agora, ainda que forma breve (já que estudaremos em outra ocasião sobre o assunto: como Cristo abriu o caminho para Deus.)

Quem Ele é : Deus-homem infinito-eterno
O que Ele fez: morreu na cruz para nos livrar da condenação e garantir a morada no céu.

O amor de Deus é claramente revelado em Jesus. Embora seja o Deus eterno tornou-se homem. Embora não tendo pecado, morreu na cruz. Morreu para pagar pelos nossos pecados. Com isso, mostrou o amor de Deus e satisfez sua justiça. Morreu para que nós não precisássemos morrer. (Leia 2 Co 5:21)

GRAÇA

•  O céu é um presente gratuito

•  Não é comprado nem conseguido por merecimento

Este é o ponto de partida para se entender e compartilhar o evangelho.

Praticamente todos os sistemas religioso, com exceção do Cristianismo, são, em escala maior ou menor, religiões de méritos e de obras. Eles invariavelmente nos apresentam maneiras pelas quais podemos nos salvar a nós mesmos: uma lei a guardar, um ensino a seguir, rituais a cumprir, sacrifícios a oferecer. O homem ganha sua salvação através de esforços religiosos ou morais, de um tipo ou de outro. O Cristianismo, porém, é uma religião de graça, ou seja, é impossível merecer a salvação: mas ela é recebida como um presente gratuito, imerecido e indevido, da parte de um Deus amoroso e misericordioso. O evangelho proclama que Deus salva, aceita e perdoa as pessoas tal como se encontram, em sua falta de mérito e em sua culpa. Nada podemos fazer para merecer o favor de Deus. Apenas nos aproximamos dele e confiamos em sua misericórdia.

É óbvio que isso não significa que o cristão não se interesse em fazer o bem. O Novo Testamento é explícito em afirmar que um crente em Cristo deve ser “zeloso de boas obras”, mas isso porque ele é um cristão, e não a fim de se tornar um cristão. Deus salva os pecadores simplesmente porque deseja fazê-lo, e ele o faz através da vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo. A tentativa de acrescentar algo à graça de Deus ou à obra de Cristo através de esforços pessoais para alcançar a retidão pessoal é o que de mais prejudicial existe. A única maneira de sermos salvos é quebrando e despedaçando nossa atitude de retidão pessoal e de autoconfiança, e nos aproximando, humildes e arrependidos, de um Deus de misericórdia e graça. Essa é geralmente a coisa mais difícil que há para nossa natureza orgulhosa e auto-suficiente. A glória da fé cristã reside em que Deus perdoa gratuitamente aqueles que não merecem ser perdoados e que não conseguem erguer um único dedo para se ajudarem a si mesmos.

A mensagem do Novo Testamento é que nossa salvação é alcançada inteiramente, não por nós, mas por Deus. Não é uma questão de encontrarmos Deus, mas sim de Ele nos encontrar. É por essa razão que, ao contrário dos seguidores de muitas outras religiões, o cristão pode Ter certeza absoluta de sua aceitação definitiva por parte de Deus, e de sua entrada no céu. Enquanto os outros só podem contar com a esperança de terem “feito o suficiente”, o cristão pode Ter o conhecimento certo e seguro de que “Deus já fez tudo” por ele, através de Cristo.

Que idéia surpreendente! A maioria das pessoas acha que o céu é algo que você conquista sendo bom. Entretanto, não é assim. O céu é um presente, que decididamente não se pode comprar, nem conquistar, por merecimento: Ef 2.8,9

Esses versos dizem claramente que:

1. Somos salvos pela graça;

2. A graça opera por meio da fé;

3. A fé não vem de nós mesmos – ela é um dom;

4. Não é através de obras que as pessoas são salvas. Por isso, ninguém pode ser orgulhoso quanto à sua salvação;

5. Não fomos nós quem nos criamos, mas Deus;

6. Somos criados em Cristo Jesus (O propósito de Deus é que nos pareçamos com Seu Filho Jesus Cristo);

7. Essa nova criação implica boas obras. A nova natureza que ganhamos quando somos salvos nos levará a fazer boas obras;

8. Não escolhemos essas boas ações; Deus preparou-as antes mesmo que nós pudéssemos andar nelas.

 

CONCLUSÃO: Vimos nesse estudo alguns conceitos importantes, que sem dúvida, farão diferença nas conclusões que alcançarmos. Lembremo-nos:

1. Deus o soberano é o criador de todas as coisas e tudo está sob o Seu controle.

2. O homem foi criado com algumas características da Pessoa de Deus, pois, sua missão era refletir a Pessoa de Deus (assim deveria viver para total glória de Deus), porém Adão o representante legal da humanidade falhou na prova que fora submetido, e essa condição de refletir Deus foi distorcida. O que vemos na história do mundo? Não é o homem sempre espelhando o seu orgulho e egoísmo?

As pessoas devem ter uma visão correta da desobediência e entender que não há méritos em nós mesmos.

 

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*